Câmara autoriza contratação temporária para atender escolas da zona rural

por lucas93 — publicado 20/06/2018 16h10, última modificação 20/06/2018 16h13
Seletivo para contratar 309 profissionais visa atender a realidade sociocultural e linguística específica de cada grupo indígena
Câmara autoriza contratação temporária para atender escolas da zona rural

Mesa diretora da CMBV (Patrício Bispo)

Projeto de Lei aprovado pelos vereadores de Boa Vista nesta quarta-feira, 20, autoriza a Prefeitura de Boa Vista a contratar, temporariamente, 309 profissionais para atender escolas na zona rural.

A contratação visa atender a realidade sociocultural e linguística específica de cada grupo indígena, sem prejuízo da continuidade do processo escolar, por um ano, podendo ser renovada por igual período.

Conforme o projeto do Executivo Municipal, os profissionais que atuarão nas escolas indígenas deverão pertencer, preferencialmente, às etnias envolvidas no processo escolar.

“É necessário que a gente aprove o projeto para continuar atuando na nossa educação nas comunidades e garantir o acesso de todos à educação”, frisou o vereador Zélio Mota, líder do Executivo.

PROCESSO SELETIVO

A seleção dos profissionais será feita por meio de processo seletivo simplificado, realizado pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Smec).

A jornada de trabalho dos professores será de 25 horas semanais e a do pessoal de apoio administrativo, cuidador e merendeira será de 40 horas semanais. Já os motoristas terão que cumprir 44 horas semanais.

Serão ofertadas pouco mais de 300 vagas. Os salários variam entre R$ 1.020,00 para os cargos de merendeira indígena e apoio administrativo e R$ 2.079,00 para os de professor de Educação Básica Indígena de Ensino Fundamental e Educação Infantil, professor das línguas macuxi e wapixana, e Pedagogia para áreas rurais.

Conforme justificou a prefeita Teresa Surita (MDB), o projeto possibilita a efetivação da educação rural e indígena com qualidade, de forma a promover educação escolar bilíngue aos alunos indígenas e trata-se de providencias necessárias para assegurar ensino fundamental regular nas unidades escolares da Zona Rural e comunidades indígenas.