Regulamentação do transporte alternativo é debatida na Câmara

por Milene De Oliveira Thomé publicado 18/04/2019 13h55, última modificação 18/04/2019 13h55
Presidentes de Sindicatos, Associações de Bairro, dos mototaxistas, taxistas convencionais, taxistas de lotação, motoristas de aplicativos e representantes do Poder Público, participaram no dia 16-04 de audiência pública na Câmara Municipal de Boa Vista.
Regulamentação do transporte alternativo é debatida na Câmara

Foto: Danielle Silva/Secom CMBV

Presidentes de Sindicatos, Associações de Bairro, dos mototaxistas, taxistas convencionais, taxistas de lotação, motoristas de aplicativos e representantes do Poder Público, participaram no dia 16-04 de audiência pública na Câmara Municipal de Boa Vista.
A audiência, iniciativa dos vereadores Albuquerque e Mirian Reis, promoveu amplo debate sobre a regulamentação do transporte alternativo na Capital.
O serviço prestado pelos mototaxistas e motoristas de aplicativos já é realidade em Boa Vista e são centenas de profissionais atuando clandestinamente.
“Esse pessoal trabalha na clandestinidade, sem base em uma legislação. É grande o índice de acidentes e todos correm riscos. Precisamos saber quem são as pessoas que estão trabalhando com esse tipo de serviço. Com regulamentação, vao ser devidamente identificados, cadastrados na Emhur”, esclarece a vereadora
As demandas de todas as categorias serão encaminhadas para a Prefeitura, visando adequar a prestação desses serviços às necessidades da população e dentro da legislação, definir a área de atuação de cada profissional, para que taxistas não sejam prejudicados mais ainda, uma vez que já acumulam perdas com a entrada em operação dos transporte alternativo
A população de Boa Vista é atendida por 411 motoristas de táxi-lotação, mais 380 nos táxis convencionais e mesmo o serviço não sendo regulamentado, circulam na cidade mais de 200 mototaxistas

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.